Consórcio é investimento?

26 de julho de 2018

Consórcio é um investimento? Não é exatamente um investimento, mas muitos o consideram como investimento pelo simples fato de que por meio dele é possível adquirir um bem sem pagar juros por isso. Mas uma coisa todos concordam, essa forma de poupar dinheiro para uma compra programada é um bom negócio.m estar nesta lista.

O Consórcio funciona da seguinte maneira. Durante um certo período, você e um grupo de pessoas pagam mensalmente um determinado valor para uma administradora. Ela distribui, mensalmente, cartas de crédito no valor do consórcio contratado de duas formas: uma por meio de sorteios e outra pelo maior lance oferecido pela pessoa que faz parte daquele determinado grupo.

Portanto, você poderá receber a carta de crédito do valor do bem ou serviço contratado antes do término do contrato pela oferta mensal mais alta de dinheiro que antecipa ou abate as suas parcelas mensais do contrato ou pela sorte, ser contemplado por meio de sorteios mensais.

A Ponta Administradora de Consórcios, uma das principais do país, administra os consórcios do Sicoob e divulga uma relação das principais dúvidas e respostas sobre o produto. Confira, pois uma de suas dúvidas podem estar nesta lista.

Qual a diferença entre Consórcio e Financiamento?

Basicamente, os principais fatores que diferenciam as duas modalidades são o tempo de espera para aquisição e o peso dos juros no balanço final da compra. O Consórcio oportuniza a aquisição de um veículo ou imóvel sem juros, todavia, sem tempo determinado para iniciar a utilização do bem. No Financiamento, há incidência de juros e o recebimento do produto comprado é imediato ou com data previamente definida. Outro detalhe que faz diferença é que os financiamentos são estendidos por mais tempo do que os Consórcios. Isso porque as parcelas acabam ficando muito altas devido aos juros, o que exige diminuição do valor mensal a ser pago e o consequente aumento do preço total do bem no final das contas.

O que deve ser feito para contratar um plano do Sicoob Consórcios?

Basta comparecer a uma cooperativa do Sicoob e fazer a adesão. Para isso, devem ser apresentados documentos pessoais (CPF e RG) e um comprovante de endereço e renda.

Há cobrança de taxa de adesão?

No Sicoob Consórcios não existe taxa de adesão. Quando um indivíduo adere ao Consórcio, a Administradora pode cobrar a primeira mensalidade ou prestação e a antecipação de recursos relativos à taxa de administração. Mas tudo isso deve estar previsto no Contrato de Adesão.

No momento em que a pessoa adere ao Consórcio, no mês seguinte ela já participa do sorteio ou não?

Neste caso, é possível ocorrer duas situações:

– Se o boleto de adesão for pago até a data de vencimento do Sicoob Consórcios (dia 5), o consorciado participará do sorteio do mês de referência.

– Se o boleto de adesão for pago após a data de vencimento do Sicoob Consórcios (dia 5), o consorciado participara do sorteio do mês seguinte ao pagamento.

É possível entrar em um grupo de consórcio que já começou?

Sim. A pessoa adere ao consórcio de um grupo em andamento e a diferença paga por quem entrou no grupo em formação será diluída pelo prazo atual. 

Que garantias a Administradora pode exigir dos Consorciados?

Alienação fiduciária para bens móveis e imóveis – neste caso, a real proprietária do bem será a Administradora. O consorciado terá apenas a posse do bem até a quitação de suas obrigações para com o Grupo. Além disso, o contrato pode especificar outras garantias complementares, proporcionais às prestações a vencer, que deverão ser apresentadas na contemplação e quando for utilizar o seu crédito.

Os grupos são formados com quantas pessoas?

Os grupos de veículos são formados por 300 a 1.000 participantes, e os de imóveis, por 400 a 1.000 pessoas. 

O que ocorre em caso de atraso no pagamento das prestações?

Incidirá multa de 2% e juros de 1% ao mês, sendo que 50% dos valores de juros e multas serão destinados ao Fundo Comum. Caso o atraso seja de um Consorciado já contemplado, ele poderá ter seus dados incluídos na base de órgãos de proteção ao crédito. Além disso, a Administradora poderá exigir a retomada do bem dado em garantia.

Se o valor do carro diminuir, também é reduzida a carta de crédito e o valor da prestação?

Neste caso, pode ocorrer duas situações:

– Consorciado não contemplado – Se o veículo de referência do grupo sofrer desvalorização pela tabela FIPE, o consorciado terá proporcionalmente a mesma desvalorização em sua carta de crédito e em sua parcela mensal.

– Consorciado contemplado – Se o veículo de referência do grupo sofrer desvalorização pela tabela FIPE, o consorciado manterá o valor de sua carta de crédito, porém terá o desconto proporcional em sua prestação mensal.

Já em caso de valorização do bem de referência temos os seguintes casos:

Consorciado não contemplado – Se o veículo de referência do grupo sofrer valorização pela tabela FIPE, o consorciado terá proporcionalmente a mesma valorização em sua carta de crédito e terá o reajuste  sua parcela mensal.

Esta situação também vale para imóveis. 

O Consorciado que for contemplado pode pegar o crédito em dinheiro?

A finalidade do consórcio é a aquisição de bens ou conjunto de bens, mas o regulamento permite que, nas situações descritas abaixo, o Consorciado receba o seu crédito em espécie:

  • 180 dias após a sua contemplação, desde que tenha quitado suas obrigações para com o grupo;
  • 60 dias após o encerramento e distribuição de todos os créditos do seu grupo.

O que acontece se o bem descrito no contrato deixa de ser produzido?

A administradora deve convocar Assembleia Geral Extraordinária após tomar conhecimento do fim da produção do bem referenciado. Os consorciados decidirão pela substituição do bem por outro equivalente. Lembramos que, nesse caso, somente os consorciados não contemplados votam.

Caso haja a substituição, são aplicados os seguintes critérios de cobrança:

–  As prestações dos consorciados contemplados permanecem no valor anterior, sendo atualizadas somente quando houver alteração no preço do novo  bem, na mesma proporção.  

–  As prestações dos consorciados ainda não contemplados devem ser calculadas com base no preço do novo bem.

Caso o grupo se encerre e o Consorciado tenha créditos a receber, como ocorre a devolução de valores?

Até 60 dias após o encerramento do grupo, a administradora deverá comunicar àqueles consorciados que não utilizaram o crédito, que o dinheiro está à sua disposição. 

É possível transferir o plano de consórcio para outra pessoa?

Sim. O Consórcio poderá ser transferido, se contemplado ou não contemplado. Se for contemplado, o adquirente terá seu cadastro e o bem alienado submetido à análise. Essa transferência terá custos previstos em contrato.

O que acontece se o consorciado desistir do Consórcio?

O consorciado desistente ou excluído participará de um sorteio nas assembleias mensais para devolução do valor devido.

Cada grupo terá 1 consorciado desistente/excluído sorteado por assembleia mensal.

O valor a ser devolvido será dos recursos acumulados no Fundo Comum, deduzidos de uma multa de cancelamento de 10%.

Esta multa será calculada com base no valor total do Fundo Comum.

Caso o consorciado não seja contemplado durante as assembleias mensais, este terá seu valor restituído ao final do grupo.

Em termos operacionais, a proposta de consórcio poderá ser refeita se preenchida errada?

Sim. Porém não mais pelo CNP3 (sistema de vendas do produto).

A cooperativa deverá encaminhar um e-mail para sua Central, que irá solicitar o formulário próprio para a realização da alteração.

Qual a data de pagamento do comissionamento para a Cooperativa?

O pagamento será no dia 20 de cada mês subsequente a venda da cota.

A partir de quando pode ser dado o lance?

O lance poderá ser oferecido, após o pagamento do boleto de adesão. Porém, o sistema só estará disponível para as ofertas 10 dias antes da realização da assembleia do grupo. 

A referência do maior lance é em percentual do crédito ou em quantidade de prestações?

O lance será dado em números de parcelas. Quem ofertar o maior número de parcelas será o contemplado.

O consorciado pode trocar de plano?

Sim, o consorciado não contemplado pode optar por trocar o valor de sua carta de crédito, apenas dentro do próprio grupo, em até 2 vezes.

É possível antecipar ou quitar o plano de Consórcio?

Sim. O consorciado poderá amortizar o saldo devedor no todo ou em parte, nas seguintes situações:

  • Por antecipação das prestações vincendas (contemplado ou não).
  • Por meio de lance vencedor.
  • Por utilização do seu crédito existente, por meio da aquisição de bem de menor valor.
  • Por solicitação de conversão do seu crédito em espécie após 180 dias da contemplação.

O consorciado não contemplado que antecipar todas as prestações somente terá direito à carta de crédito quando de sua contemplação por sorteio e não poderá utilizar-se dessas prestações para pagamento de lances. 

É permitido quitar um financiamento imobiliário com a carta de crédito?

Até Sim. É permitido ao consorciado contemplado optar pela quitação total de financiamento de sua titularidade ou pela aquisição de bem objeto, com quitação de financiamento habitacional de terceiros, independentemente de qual seja o agente financeiro, observando as regras previstas no Contrato de Adesão.

Caso o Consorciado dê um lance embutido, esse valor irá diminuir do número de parcelas ou reduzirá o valor das parcelas?

Pode ser tanto um quanto outro, ou seja, o valor dado em lance pode ser diluído nas prestações vincendas ou diminuir a quantidade das parcelas. No momento de ofertar o lance no sistema, basta selecionar a opção desejada. 

O que pode ser comprado com o crédito da contemplação?

O Consorciado poderá comprar qualquer bem do segmento definido em seu contrato e no fornecedor que desejar. Por isso, é possível a um consorciado de um determinado grupo de automóvel adquirir, por exemplo, uma moto com seu crédito. Veja como são os segmentos:

  1. No caso de imóvel pode ser:
    a) Imóvel Urbano: Novo ou usado, aquisição de imóvel construído, na planta, lote urbano, construção, reforma ou ampliação e quitação de financiamento de mesma titularidade ou de terceiro.
    b) Imóvel Rural: é permitido apenas a aquisição da terra/terreno com suas benfeitorias.
  2. No caso de veículos pode ser: 
    Novos ou usados com no máximo 5 (cinco) anos de uso, excluído o ano de sua fabricação, sendo que para:
    a) Veículos leves (passeio) e motos (Todos os grupos);
    b) Máquinas ou implementos agrícolas, caminhão, van, ônibus, micro ônibus e utilitários  (Apenas o grupo 916);

É permitido comprar um bem de valor diferente daquele descrito no contrato?

Respeitando os segmentos, não há problema. Entretanto, para adquirir um bem de maior valor, o Consorciado contemplado ficará responsável pela diferença de preço. Se o bem desejado for inferior ao crédito, a diferença poderá ser utilizada para:

  • Pagar as obrigações financeiras, vinculadas ao bem, até o limite de 10% do valor do crédito, relativas às despesas com transferência de propriedade, tributos e registros cartoriais, instituições de registro e seguros.
  • Pagar as prestações vincendas, na ordem inversa, a contar da última.
  • A devolução do valor residual será mediante quitação de suas obrigações junto ao grupo de consórcios.

Posts Relacionados

Diferença entre empréstimo e financiamento

Qual a diferença entre empréstimos e financiamentos?

Saiba a diferença entre empréstimos e financiamentos para quando você precisar, fazer a melhor escolha.

Leia mais...
O que são sobras

O que são Sobras no cooperativismo?

Uma das grandes vantagens das cooperativas em relação a outras instituições financeiras é a distribuição de sobras anuais. Mas o que são as sobras anuais?

Leia mais...

Faça Parte

SicoobCap Mais
Assine a nossa Newsletter

Assine a nossa Newsletter

Participe da nossa lista de newsletter para receber as últimas novidades e atualizações do nosso blog.

Integração - Mail2Easy PRO

Sua inscrição em nossa News foi feita com sucesso!

Pin It on Pinterest

Share This